27 de set de 2011

13º Aniversário do Google

A Gigante Google, completa hoje, 13 aninhos, já é quase um adolescente, isso mesmo, uma das maiores potências mundiais é uma empresa até que nova no mercado, levando-se em conta seu pouco tempo de vida, o Google hoje é uma das empresas de maior influência no mercado de tecnologias, ao lado das grandes Apple, Microsoft e IBM.

Conheça um pouco mais sobre a história deste gigante da internet.

A empresa foi fundada por Larry Page e Sergey Brin, muitas vezes apelidados de "Google Guys", enquanto os dois estavam frequentando a Universidade Stanford como estudantes de doutoramento. Foi fundada como uma empresa privada em 4 de setembro de 1998 e sua oferta pública inicial foi realizada em 19 de agosto de 2004. A missão declarada da empresa desde o início foi "organizar a informação mundial e torná-la universalmente acessível e útil" e o slogan da empresa foi inventado pelo engenheiro Paul Buchheit, é “Don't be evil” em inglês e “Não seja mau” em português. Em 2006, a empresa mudou-se para sua atual sede, em Mountain View, Condado de Santa Clara no estado da Califórnia.

O Google é executado através de mais de um milhão de servidores em data centers ao redor do mundo e processa mais de um bilhão de solicitações de pesquisa e vinte petabytes de dados gerados por usuários todos os dias. O rápido crescimento do Google desde sua incorporação culminou em uma cadeia de outros produtos, aquisições e parcerias que vão além do núcleo inicial como motor de buscas. A empresa oferece softwares de produtividade online, como o software de e-mail Gmail, e ferramentas de redes sociais, incluindo o Orkut e, mais recentemente, o Google Buzz e o Google+. Os produtos do Google se estendem à área de trabalho, com aplicativos como o navegador Google Chrome, o programa de organização de edição de fotografias Picasa e o aplicativo de mensagens instantâneas Google Talk. Notavelmente, o Google também lidera o desenvolvimento do sistema operacional móvel para smartphones Android, usado em celulares como o Nexus One e o Motorola Droid. O Alexa classifica o Google como o website mais visitado do mundo. O Google também foi classificado pela revista Fortune como o quarto melhor lugar do mundo para se trabalhar e como a marca mais poderosa no mundo pela BrandZ. A posição dominante no mercado dos serviços do Google levou a críticas da sociedade sobre assuntos como privacidade, direitos autorais e censura.

Fonte: Redação, Wikipedia

15 de set de 2011

10 razões que tornaram o Facebook a rede social mais popular no Brasil

Entenda por que o Facebook assumiu a liderança na preferência dos usuários brasileiros e desbancou o Orkut.


Nessa terça-feira (13), o instituto de pesquisas Ibobe Nielsen divulgou uma série de dados sobre o uso de internet no Brasil. Entre os quesitos pesquisados, uma informação em especial chamou a atenção. Quando o assunto é rede social, o Orkut já não é mais o site preferido dos brasileiros.

Com 30,9 milhões de visitantes únicos, o Facebook é hoje a rede social com maior audiência no Brasil. O Orkut, líder nos últimos sete anos, vem pouco atrás, com 29 milhões de visitantes. A diferença não é significativa em termos estatísticos, mas essa é a primeira vez que outra rede social ultrapassa o Orkut no país.

As razões que levaram o Facebook a assumir a liderança são muitas e, independente de sua preferência, ao que tudo indica a rede social de Mark Zuckerberg tem potencial para crescer ainda mais. Entenda por que o Facebook pode se tornar um novo fenômeno no país.

Líder em menos tempo


À medida que a base de usuários aumentou, ficou mais fácil encontrar um número maior de amigos. Hoje, se você pesquisar, deve encontrar pelo menos 70% dos seus colegas utilizando as duas redes sociais. Sendo assim, escolher em qual rede você irá interagir passa a ser uma mera questão de opção.

Jogos que falam a minha língua
Encontrar jogos em português nos consoles não é algo tão simples. Contudo, os usuários que vão em busca de games específicos, na maioria das vezes, não se importam tanto com isso. Já numa rede social, onde é maior a incidência de jogadores casuais, títulos com conteúdo em português fazem toda a diferença.

Gerenciado pelo escritório brasileiro da Google, o Orkut tinha como diferencial o fato de oferecer praticamente todo o seu conteúdo em português, enquanto o Facebook adotava o inglês como idioma universal. A situação, aos poucos, está mudando e já é possível encontrar muitos jogos adaptados para a nossa língua. Com a liderança, é bem provável que o público brasileiro passe a receber ainda mais atenção por parte da companhia.

Resistência às mudanças
Desbancar a liderança de uma rede social que está incorporada ao cotidiano dos usuários há sete anos não é uma tarefa simples. Por mais que o site ofereça atrativos, uma boa fatia do público está tão acostumada com o Orkut que não pretende e nem precisa mudar para outro círculo de amizades.

Trabalhar a resistência de parte do público a essas mudanças foi um dos pontos-chave adotados pelo Facebook. Promoções exclusivas, maior integração com o Twitter e até mesmo a abertura de um escritório no Brasil foram fundamentais para o crescimento.

Comunidades vs. Curtir
A liderança do Facebook no Brasil vai ao encontro também da maneira mais atual de como os usuários compartilham conteúdo na web. Anteriormente, as comunidades eram o espaço principal para o debate e para a disseminação de informações.

Com a chegada do Twitter, a informação se tornou mais instantânea e o volume de conteúdo aumentou. Logo, dizer apenas “curtir” para um texto passou a ser a solução mais prática e rápida. Obviamente, ainda há espaço para as duas coisas. Todavia, o conceito de comunidades deixou de ser prioridade, passando a ser alvo apenas de um público mais específico.

Inclusão digital: o novo desafio
Sete anos no mundo da internet valem por mais de uma década. Muitos usuários que aprenderam a mexer com um computador nos últimos anos tiveram o Orkut como a porta de entrada para o mundo digital. Assim, é natural o apreço e a resistência que têm a deixar a ferramenta.

O Facebook terá o desafio de, em longo prazo, substituir o Orkut nesse papel. Para isso, será preciso investir em mais conteúdo em língua portuguesa e em ações específicas para um público-alvo que busca praticidade acima de tudo.

Visual menos chamativo
Enquanto o Orkut investe em temas e adota cores mais vivas em seu layout, o Facebook prima pelo branco em contraste com o azul. Para muitos usuários, esse é um fator definitivo para que a rede social da Google se torne mais interessante do que qualquer outra novidade.

O Facebook não dá mostras de querer adotar esse perfil. Pelo contrário. Modificações recentes no slideshow de imagens tornaram o visual ainda mais limpo. Será que o estilo mais sóbrio do Facebook será capaz de conquistar os usuários acostumados com uma série de temas?

Biblioteca de conteúdo
Com maior tempo de permanência na liderança, o Orkut conta hoje com uma quantidade incalculável de conteúdo em língua portuguesa, algo que vai demorar muito para ser superado pelo Facebook.

Buscar por uma informação específica no Orkut é quase como pesquisar em uma internet paralela. Já no Facebook, a pesquisa por conteúdos não é o foco principal. A informação é muito mais dinâmica e imediata, o que pode fazer com que muitos usuários se decepcionem.

Escritório no Brasil
Com predominância absoluta do público local, a Google decidiu em 2008 que o Orkut seria controlado pelo escritório brasileiro, o que fez com que a empresa investisse em ações específicas para o usuário nacional. Já o Facebook abriu seu primeiro escritório por aqui apenas neste ano.

Boa parte do crescimento momentâneo da rede se deve a essa base local. Graças a ela foi possível captar novos clientes no mercado publicitário e promover ações específicas, ampliando o interesse dos usuários para testarem um novo site.

Ações populares
Enquanto o Facebook dá os seus primeiros passos em termos de promoções no país, com prêmios oferecidos por empresas vinculadas às ações de “curtir” e sorteios integrados por intermédio de alguns aplicativos, o Orkut já provou estratégias mais sólidas com relação a isso.

Shows com duplas sertanejas e entrevistas exclusivas com cantoras como Ivete Sangalo foram grandes chamarizes de audiência, gerando identificação com as classes mais populares. Resta saber se o Facebook está disposto a investir pesado também nesse nicho de mercado.

Orkut ou Facebook? Que tal os dois?Decidir qual rede social utilizar não é uma tarefa simples. Há vários itens para serem levados em consideração e cabe ao usuário, baseado em suas necessidades, decidir qual delas melhor se adapta ao seu perfil. Entretanto, como estamos em um período de transição, vale a pena conferir como as duas funcionam.

Para aqueles que ainda não visitaram o Facebook, vale a pena criar uma conta de usuário e conferir o potencial da rede social. Procure seus amigos, teste alguns jogos e veja como é a sua adaptação ao sistema de comunicação que agora é o preferido dos brasileiros.

Se você aposentou o Orkut por ele não atender as suas necessidades, que tal revisitar a rede social com outros olhos? Embora não seja tão dinâmico, utilizar as comunidades como uma espécie de fórum e encontrar amigos que ainda não migraram para outras redes podem ser tarefas bastante interessantes.

Embora tenham nascido no mesmo ano, o desenvolvimento do Facebook é muito mais recente do que o do Orkut. Enquanto a rede social da Google era aberta para todos os usuários, o Facebook se restringia às faculdades norte-americanas, demorando um pouco mais para se tornar conhecido por aqui.

A falta de investimentos no Orkut, aliada à maior divulgação que o Facebook vem obtendo em promoções e interação com websites fez com que muitos usuários fossem “obrigados” a manter contas nas duas redes, ampliando o público do novo líder.

Meu amigos também têm

De nada adianta entrar em uma rede social mais moderna e não encontrar os seus amigos por lá. Um dos maiores empecilhos enfrentados pelo Facebook para se tornar líder foi a ausência de um público cativo do Orkut, que não pretendia de forma alguma trocar um site pelo outro.

Fonte: TechMundo

1 de set de 2011

Anonymous do Sri Lanka atacam Symantec, Apple, Facebook e outras empresas

Ataques foram feitos via "DNS Cache Poisoning" e algumas informações estão sendo postadas no site Pastebin.
A filial do grupo Anonymous de Sri Lanka afirmou ter invadido os servidores da Symantec, Apple, Facebook, Microsoft e diversas outras organizações de grande porte nos últimos dias. De acordo com informações do site Cnet, os hackers estão postando notícias e registrando suas façanhas no Pastebin.

Os ataques foram feitos via "DNS Cache Snoop Poisoning", um método que permite que os hackers insiram registros maliciosos e direcionem os usuários para um site falso ao invés do real.

As informações postadas no Pastebin mostram que o grupo foi capaz de digitalizar e, em alguns casos, expor informações do DNS das companhias atacadas. Porém, não houve nenhuma indicação de que os hackers foram capazes de modificar qualquer um dos registros. No ataque contra a Symantec, os Anonymous de Sri Lanka se gabaram de terem violado o "segundo maior antivírus do mundo" e, ainda, afirmaram que capturaram quase todos os dados do DNS, incluindo informações dos clientes corporativos da empresa e de bancos de ensaio.

O grupo também ressaltou que usou os mesmos métodos para atacar o Facebook, Skype, Apple, Cisco e Novell. Além dessas empresas, os hackers também assumiram a responsabilidade de ataques ao Parlamento e à maior operadora de telecomunicações.

Sobre os motivos, o grupo apenas justificou que o modo como o Facebook controla e trata seus membros não é aceitável. Não foi divulgado nenhuma outra justificativa.

Fonte: OlharDigital

Steve Jobs: quais lições os profissionais podem aprender com sua trajetória

"Especialista mostra quais os cinco ensinamentos que quem quer ser um líder - agora ou no futuro - pode tirar da história do ex-CEO da Apple"
Desde que Steve Jobs renunciou ao cargo de CEO da Apple, no dia 24 de agosto, o mercado questiona os impactos que essa saída terá, não só para a empresa da qual ele é co-fundador, mas também para o setor de tecnologia como um todo, uma vez que Jobs ajudou a criar produtos revolucionários, como o iPod, iPhone e iPad. Mas os profissionais deveriam tirar lições importantes da trajetória bem-sucedida do executivo, na visão do especialista em empreendedorismo Bill Taylor, co-fundador da revista Fast Company e autor de diversos livros sobre liderança.

"Poucos de nós tivemos a chance de alcançar um centésimo do que Steve Jobs conseguiu", afirmou Taylor, em artigo publicado na versão norte-americana da revista de gestão Harvard Business Review. "Mas todos nós podemos olhar para a forma de trabalho dele e a reação a esse modelo e usar isso como uma oportunidade para nos perguntarmos quais as chances que nós, enquanto líderes e inovadores, temos de fazer uma pequena diferença para nosso mercado, nossos clientes e nossos colegas", acrescentou.

Para Taylor, o melhor que os profissionais podem fazer é entender o modelo de liderança de Jobs e se inspirar nele para serem executivos ou empreendedores melhores. Para isso, ele sugere que as pessoas se façam cinco perguntas essenciais, inspiradas no co-fundador da Apple:

1. "Por que pessoas incríveis gostariam de trabalhar com você?"
Steve Jobs se cercou dos melhores talentos na área de design, vendas e engenharia depois que ele entendeu que essas pessoas que apresentam uma performance acima da curva não são motivadas, inicialmente, por dinheiro ou status. Os profissionais talentosos, de forma geral, têm prazer em trabalhar com projetos desafiadores. "Pessoas incríveis gostam de se sentir como parte de algo maior do que elas mesmas - elas gostam de ser, usando a frase favorita de Jobs, 'insanamente incríveis'", ressaltou o especialista.

2. "Você reconhece um profisisonal talentoso quando se depara com um?"

É bem mais fácil ser o chefe, quando se tem uma equipe formada pelas pessoas certas. Mas só isso não é suficiente, nas melhores empresas para trabalhar, os líderes, de forma geral, gastam muito tempo e energia com as pessoas com quem trabalham. A razão para isso, segundo Taylor, está no fato de que conhecer a fundo os profissionais e conseguir tirar deles o melhor exige muita dedicação. Não à toa, ele cita que Jobs era tão exigente com sua equipe quanto era na hora de desenvolver um novo produto.

3. "Você consegue descobrir um talento, mesmo quando ele está escondido?"
As pessoas tendem a apresentar uma melhor performance quando elas têm prazer no trabalho que fazem, nas pessoas com as quais atuam e em projeto desafiadores. "Então, líderes que se contentam em manter suas empresas com pessoas que estão o tempo todo insatisfeitas, atraem profissionais descontentes e com uma performance medíocre", pontuou o especialista. O segredo, segundo ele, é buscar pessoas - fora da empresa ou em áreas diferentes - que consigam se apaixonar pelo trabalho que elas precisam desempenhar. Nesse sentido, o especialista destaca que Jobs foi um excelente recrutador de profissionais.

4. "Você é excelente em ensinar como sua trabalha e como torná-la vencedora?"

"Até os especialistas mais focados (programadores de software, designers gráficos e assistentes de marketing) são melhores quando entendem como o negócio funciona como um todo", ressaltou Taylor. Isso passa, segundo ele, por compartilhar resultados financeiros, entender o que cada um faz na empresa e compreender o que realmente interessa para o sucesso ou o fracasso da companhia. "E ninguém foi melhor do que Steve Jobs para comunicar a missão a empresa", complementou.

5. "Você é tão duro com você mesmo quanto é com sua equipe?"
Os profissionais talentosos e ambiciosos têm, por natureza, uma grande expectativa de resultados, não só seus, mas das pessoas com as quais trabalham e da companhia. O que justifica o fato de os grandes líderes serem sempre vistos como indivíduos difíceis de agradar. E Jobs, segundo o especialista, sempre foi considerado um perfeccionista, "mas minha visão é que as pessoas respondiam ao impulso perfeccionista dele porque ele era alguém tão exigente consigo mesmo, como era com todos em torno dele", concluiu.

Fonte: OlharDigital