19 de out de 2011

Steve Jobs - 1955 - 2011

Steve Jobs: um apanhado da vida e da carreira desse gênio da tecnologia.


História dos Sistemas Operacionais em vídeo



Confira abaixo uma coleção de três vídeos contando a história dos três maiores Sistemas Operacionais da atualidade: Windows, MacOS e Linux.

27 de set de 2011

13º Aniversário do Google

A Gigante Google, completa hoje, 13 aninhos, já é quase um adolescente, isso mesmo, uma das maiores potências mundiais é uma empresa até que nova no mercado, levando-se em conta seu pouco tempo de vida, o Google hoje é uma das empresas de maior influência no mercado de tecnologias, ao lado das grandes Apple, Microsoft e IBM.

Conheça um pouco mais sobre a história deste gigante da internet.

A empresa foi fundada por Larry Page e Sergey Brin, muitas vezes apelidados de "Google Guys", enquanto os dois estavam frequentando a Universidade Stanford como estudantes de doutoramento. Foi fundada como uma empresa privada em 4 de setembro de 1998 e sua oferta pública inicial foi realizada em 19 de agosto de 2004. A missão declarada da empresa desde o início foi "organizar a informação mundial e torná-la universalmente acessível e útil" e o slogan da empresa foi inventado pelo engenheiro Paul Buchheit, é “Don't be evil” em inglês e “Não seja mau” em português. Em 2006, a empresa mudou-se para sua atual sede, em Mountain View, Condado de Santa Clara no estado da Califórnia.

O Google é executado através de mais de um milhão de servidores em data centers ao redor do mundo e processa mais de um bilhão de solicitações de pesquisa e vinte petabytes de dados gerados por usuários todos os dias. O rápido crescimento do Google desde sua incorporação culminou em uma cadeia de outros produtos, aquisições e parcerias que vão além do núcleo inicial como motor de buscas. A empresa oferece softwares de produtividade online, como o software de e-mail Gmail, e ferramentas de redes sociais, incluindo o Orkut e, mais recentemente, o Google Buzz e o Google+. Os produtos do Google se estendem à área de trabalho, com aplicativos como o navegador Google Chrome, o programa de organização de edição de fotografias Picasa e o aplicativo de mensagens instantâneas Google Talk. Notavelmente, o Google também lidera o desenvolvimento do sistema operacional móvel para smartphones Android, usado em celulares como o Nexus One e o Motorola Droid. O Alexa classifica o Google como o website mais visitado do mundo. O Google também foi classificado pela revista Fortune como o quarto melhor lugar do mundo para se trabalhar e como a marca mais poderosa no mundo pela BrandZ. A posição dominante no mercado dos serviços do Google levou a críticas da sociedade sobre assuntos como privacidade, direitos autorais e censura.

Fonte: Redação, Wikipedia

15 de set de 2011

10 razões que tornaram o Facebook a rede social mais popular no Brasil

Entenda por que o Facebook assumiu a liderança na preferência dos usuários brasileiros e desbancou o Orkut.


Nessa terça-feira (13), o instituto de pesquisas Ibobe Nielsen divulgou uma série de dados sobre o uso de internet no Brasil. Entre os quesitos pesquisados, uma informação em especial chamou a atenção. Quando o assunto é rede social, o Orkut já não é mais o site preferido dos brasileiros.

Com 30,9 milhões de visitantes únicos, o Facebook é hoje a rede social com maior audiência no Brasil. O Orkut, líder nos últimos sete anos, vem pouco atrás, com 29 milhões de visitantes. A diferença não é significativa em termos estatísticos, mas essa é a primeira vez que outra rede social ultrapassa o Orkut no país.

As razões que levaram o Facebook a assumir a liderança são muitas e, independente de sua preferência, ao que tudo indica a rede social de Mark Zuckerberg tem potencial para crescer ainda mais. Entenda por que o Facebook pode se tornar um novo fenômeno no país.

Líder em menos tempo


À medida que a base de usuários aumentou, ficou mais fácil encontrar um número maior de amigos. Hoje, se você pesquisar, deve encontrar pelo menos 70% dos seus colegas utilizando as duas redes sociais. Sendo assim, escolher em qual rede você irá interagir passa a ser uma mera questão de opção.

Jogos que falam a minha língua
Encontrar jogos em português nos consoles não é algo tão simples. Contudo, os usuários que vão em busca de games específicos, na maioria das vezes, não se importam tanto com isso. Já numa rede social, onde é maior a incidência de jogadores casuais, títulos com conteúdo em português fazem toda a diferença.

Gerenciado pelo escritório brasileiro da Google, o Orkut tinha como diferencial o fato de oferecer praticamente todo o seu conteúdo em português, enquanto o Facebook adotava o inglês como idioma universal. A situação, aos poucos, está mudando e já é possível encontrar muitos jogos adaptados para a nossa língua. Com a liderança, é bem provável que o público brasileiro passe a receber ainda mais atenção por parte da companhia.

Resistência às mudanças
Desbancar a liderança de uma rede social que está incorporada ao cotidiano dos usuários há sete anos não é uma tarefa simples. Por mais que o site ofereça atrativos, uma boa fatia do público está tão acostumada com o Orkut que não pretende e nem precisa mudar para outro círculo de amizades.

Trabalhar a resistência de parte do público a essas mudanças foi um dos pontos-chave adotados pelo Facebook. Promoções exclusivas, maior integração com o Twitter e até mesmo a abertura de um escritório no Brasil foram fundamentais para o crescimento.

Comunidades vs. Curtir
A liderança do Facebook no Brasil vai ao encontro também da maneira mais atual de como os usuários compartilham conteúdo na web. Anteriormente, as comunidades eram o espaço principal para o debate e para a disseminação de informações.

Com a chegada do Twitter, a informação se tornou mais instantânea e o volume de conteúdo aumentou. Logo, dizer apenas “curtir” para um texto passou a ser a solução mais prática e rápida. Obviamente, ainda há espaço para as duas coisas. Todavia, o conceito de comunidades deixou de ser prioridade, passando a ser alvo apenas de um público mais específico.

Inclusão digital: o novo desafio
Sete anos no mundo da internet valem por mais de uma década. Muitos usuários que aprenderam a mexer com um computador nos últimos anos tiveram o Orkut como a porta de entrada para o mundo digital. Assim, é natural o apreço e a resistência que têm a deixar a ferramenta.

O Facebook terá o desafio de, em longo prazo, substituir o Orkut nesse papel. Para isso, será preciso investir em mais conteúdo em língua portuguesa e em ações específicas para um público-alvo que busca praticidade acima de tudo.

Visual menos chamativo
Enquanto o Orkut investe em temas e adota cores mais vivas em seu layout, o Facebook prima pelo branco em contraste com o azul. Para muitos usuários, esse é um fator definitivo para que a rede social da Google se torne mais interessante do que qualquer outra novidade.

O Facebook não dá mostras de querer adotar esse perfil. Pelo contrário. Modificações recentes no slideshow de imagens tornaram o visual ainda mais limpo. Será que o estilo mais sóbrio do Facebook será capaz de conquistar os usuários acostumados com uma série de temas?

Biblioteca de conteúdo
Com maior tempo de permanência na liderança, o Orkut conta hoje com uma quantidade incalculável de conteúdo em língua portuguesa, algo que vai demorar muito para ser superado pelo Facebook.

Buscar por uma informação específica no Orkut é quase como pesquisar em uma internet paralela. Já no Facebook, a pesquisa por conteúdos não é o foco principal. A informação é muito mais dinâmica e imediata, o que pode fazer com que muitos usuários se decepcionem.

Escritório no Brasil
Com predominância absoluta do público local, a Google decidiu em 2008 que o Orkut seria controlado pelo escritório brasileiro, o que fez com que a empresa investisse em ações específicas para o usuário nacional. Já o Facebook abriu seu primeiro escritório por aqui apenas neste ano.

Boa parte do crescimento momentâneo da rede se deve a essa base local. Graças a ela foi possível captar novos clientes no mercado publicitário e promover ações específicas, ampliando o interesse dos usuários para testarem um novo site.

Ações populares
Enquanto o Facebook dá os seus primeiros passos em termos de promoções no país, com prêmios oferecidos por empresas vinculadas às ações de “curtir” e sorteios integrados por intermédio de alguns aplicativos, o Orkut já provou estratégias mais sólidas com relação a isso.

Shows com duplas sertanejas e entrevistas exclusivas com cantoras como Ivete Sangalo foram grandes chamarizes de audiência, gerando identificação com as classes mais populares. Resta saber se o Facebook está disposto a investir pesado também nesse nicho de mercado.

Orkut ou Facebook? Que tal os dois?Decidir qual rede social utilizar não é uma tarefa simples. Há vários itens para serem levados em consideração e cabe ao usuário, baseado em suas necessidades, decidir qual delas melhor se adapta ao seu perfil. Entretanto, como estamos em um período de transição, vale a pena conferir como as duas funcionam.

Para aqueles que ainda não visitaram o Facebook, vale a pena criar uma conta de usuário e conferir o potencial da rede social. Procure seus amigos, teste alguns jogos e veja como é a sua adaptação ao sistema de comunicação que agora é o preferido dos brasileiros.

Se você aposentou o Orkut por ele não atender as suas necessidades, que tal revisitar a rede social com outros olhos? Embora não seja tão dinâmico, utilizar as comunidades como uma espécie de fórum e encontrar amigos que ainda não migraram para outras redes podem ser tarefas bastante interessantes.

Embora tenham nascido no mesmo ano, o desenvolvimento do Facebook é muito mais recente do que o do Orkut. Enquanto a rede social da Google era aberta para todos os usuários, o Facebook se restringia às faculdades norte-americanas, demorando um pouco mais para se tornar conhecido por aqui.

A falta de investimentos no Orkut, aliada à maior divulgação que o Facebook vem obtendo em promoções e interação com websites fez com que muitos usuários fossem “obrigados” a manter contas nas duas redes, ampliando o público do novo líder.

Meu amigos também têm

De nada adianta entrar em uma rede social mais moderna e não encontrar os seus amigos por lá. Um dos maiores empecilhos enfrentados pelo Facebook para se tornar líder foi a ausência de um público cativo do Orkut, que não pretendia de forma alguma trocar um site pelo outro.

Fonte: TechMundo

1 de set de 2011

Anonymous do Sri Lanka atacam Symantec, Apple, Facebook e outras empresas

Ataques foram feitos via "DNS Cache Poisoning" e algumas informações estão sendo postadas no site Pastebin.
A filial do grupo Anonymous de Sri Lanka afirmou ter invadido os servidores da Symantec, Apple, Facebook, Microsoft e diversas outras organizações de grande porte nos últimos dias. De acordo com informações do site Cnet, os hackers estão postando notícias e registrando suas façanhas no Pastebin.

Os ataques foram feitos via "DNS Cache Snoop Poisoning", um método que permite que os hackers insiram registros maliciosos e direcionem os usuários para um site falso ao invés do real.

As informações postadas no Pastebin mostram que o grupo foi capaz de digitalizar e, em alguns casos, expor informações do DNS das companhias atacadas. Porém, não houve nenhuma indicação de que os hackers foram capazes de modificar qualquer um dos registros. No ataque contra a Symantec, os Anonymous de Sri Lanka se gabaram de terem violado o "segundo maior antivírus do mundo" e, ainda, afirmaram que capturaram quase todos os dados do DNS, incluindo informações dos clientes corporativos da empresa e de bancos de ensaio.

O grupo também ressaltou que usou os mesmos métodos para atacar o Facebook, Skype, Apple, Cisco e Novell. Além dessas empresas, os hackers também assumiram a responsabilidade de ataques ao Parlamento e à maior operadora de telecomunicações.

Sobre os motivos, o grupo apenas justificou que o modo como o Facebook controla e trata seus membros não é aceitável. Não foi divulgado nenhuma outra justificativa.

Fonte: OlharDigital

Steve Jobs: quais lições os profissionais podem aprender com sua trajetória

"Especialista mostra quais os cinco ensinamentos que quem quer ser um líder - agora ou no futuro - pode tirar da história do ex-CEO da Apple"
Desde que Steve Jobs renunciou ao cargo de CEO da Apple, no dia 24 de agosto, o mercado questiona os impactos que essa saída terá, não só para a empresa da qual ele é co-fundador, mas também para o setor de tecnologia como um todo, uma vez que Jobs ajudou a criar produtos revolucionários, como o iPod, iPhone e iPad. Mas os profissionais deveriam tirar lições importantes da trajetória bem-sucedida do executivo, na visão do especialista em empreendedorismo Bill Taylor, co-fundador da revista Fast Company e autor de diversos livros sobre liderança.

"Poucos de nós tivemos a chance de alcançar um centésimo do que Steve Jobs conseguiu", afirmou Taylor, em artigo publicado na versão norte-americana da revista de gestão Harvard Business Review. "Mas todos nós podemos olhar para a forma de trabalho dele e a reação a esse modelo e usar isso como uma oportunidade para nos perguntarmos quais as chances que nós, enquanto líderes e inovadores, temos de fazer uma pequena diferença para nosso mercado, nossos clientes e nossos colegas", acrescentou.

Para Taylor, o melhor que os profissionais podem fazer é entender o modelo de liderança de Jobs e se inspirar nele para serem executivos ou empreendedores melhores. Para isso, ele sugere que as pessoas se façam cinco perguntas essenciais, inspiradas no co-fundador da Apple:

1. "Por que pessoas incríveis gostariam de trabalhar com você?"
Steve Jobs se cercou dos melhores talentos na área de design, vendas e engenharia depois que ele entendeu que essas pessoas que apresentam uma performance acima da curva não são motivadas, inicialmente, por dinheiro ou status. Os profissionais talentosos, de forma geral, têm prazer em trabalhar com projetos desafiadores. "Pessoas incríveis gostam de se sentir como parte de algo maior do que elas mesmas - elas gostam de ser, usando a frase favorita de Jobs, 'insanamente incríveis'", ressaltou o especialista.

2. "Você reconhece um profisisonal talentoso quando se depara com um?"

É bem mais fácil ser o chefe, quando se tem uma equipe formada pelas pessoas certas. Mas só isso não é suficiente, nas melhores empresas para trabalhar, os líderes, de forma geral, gastam muito tempo e energia com as pessoas com quem trabalham. A razão para isso, segundo Taylor, está no fato de que conhecer a fundo os profissionais e conseguir tirar deles o melhor exige muita dedicação. Não à toa, ele cita que Jobs era tão exigente com sua equipe quanto era na hora de desenvolver um novo produto.

3. "Você consegue descobrir um talento, mesmo quando ele está escondido?"
As pessoas tendem a apresentar uma melhor performance quando elas têm prazer no trabalho que fazem, nas pessoas com as quais atuam e em projeto desafiadores. "Então, líderes que se contentam em manter suas empresas com pessoas que estão o tempo todo insatisfeitas, atraem profissionais descontentes e com uma performance medíocre", pontuou o especialista. O segredo, segundo ele, é buscar pessoas - fora da empresa ou em áreas diferentes - que consigam se apaixonar pelo trabalho que elas precisam desempenhar. Nesse sentido, o especialista destaca que Jobs foi um excelente recrutador de profissionais.

4. "Você é excelente em ensinar como sua trabalha e como torná-la vencedora?"

"Até os especialistas mais focados (programadores de software, designers gráficos e assistentes de marketing) são melhores quando entendem como o negócio funciona como um todo", ressaltou Taylor. Isso passa, segundo ele, por compartilhar resultados financeiros, entender o que cada um faz na empresa e compreender o que realmente interessa para o sucesso ou o fracasso da companhia. "E ninguém foi melhor do que Steve Jobs para comunicar a missão a empresa", complementou.

5. "Você é tão duro com você mesmo quanto é com sua equipe?"
Os profissionais talentosos e ambiciosos têm, por natureza, uma grande expectativa de resultados, não só seus, mas das pessoas com as quais trabalham e da companhia. O que justifica o fato de os grandes líderes serem sempre vistos como indivíduos difíceis de agradar. E Jobs, segundo o especialista, sempre foi considerado um perfeccionista, "mas minha visão é que as pessoas respondiam ao impulso perfeccionista dele porque ele era alguém tão exigente consigo mesmo, como era com todos em torno dele", concluiu.

Fonte: OlharDigital

13 de ago de 2011

Presentes Tecnológicos para o dia dos Pais, confira


Existem opções bem em conta como essas camisetas com temas geek; ou essas canecas super divertidas. Ainda com valor abaixo dos 100 reais, você pode, por exemplo, comprar uma mini caixa de som em forma de porquinho... é, no mínimo, diferente! Agora, se o seu bolso estiver recheado, que tal um videogame com sensor de movimento? Ou então um volante para ele acelerar no mundo virtual?

Outra boa aposta é essa aqui: controles remotos universais. Eles servem para usar na TV, no blu-ray player, no DVD e até no som de casa. Tem também os clássicos: câmera fotográfica e filmadora... E se ele for daqueles que gostam de colocar a mão na massa, mas sem abrir mão da modernidade, tem essa fita métrica a laser.


Agora se seu pai é do tipo homem de negócios; aqui vão as dicas!


Sugestão óbvia se você está bem de caixa: um tablet. Existem muitas opções no mercado, inclusive alguns já fabricados no Brasil. Ele é um cara mais preocupado com produtividade? Você pode procurar também um novo notebook ou netbook; existem boas opções a partir de mil reais.


Mas, mesmo os pais super engajados no trabalho têm suas horas de lazer. Dá uma olhada nessas vitrolas. Apesar do nome, elas são super modernas. A primeira até tem um ar retrô. Esta outra toca discos, reproduz e até grava CDs...


Agora, as dicas para aqueles que são atletas durante a semana; ou no fim de semana.


Podemos começar pelas roupas; são agasalhos super modernos e leves com compartimentos para MP3 player e fitas reflexivas; camisetas com tecido de secagem rápida, outras com proteção contra os raios UV, bermudas impermeáveis... tudo para melhorar o desempenho.


Um presente um pouco mais tecnológico pode ser um monitor cardíaco para corridas; ou até este super computador de bordo para bicicletas. Outra opção moderninha são esses óculos que trocam de lente para se adaptar ao ambiente.

Fonte: OlharDigital

Hackers passam a ter apoio oficial do Ministério da Ciência e Tecnologia.

Em artigo, ministro defende que esse perfil de desenvolvedor precisa ser reconhecido e incentivado, para estimular a inovação.

No Brasil, os hackers ‘do bem’ passam a receber, oficialmente, o apoio do governo federal. Pelo menos, essa foi a promessa que o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Aloizio Mercadante, fez em um artigo divulgado nesta quinta-feira (11/8)  no site do ministério e publicado no jornal Folha de S.Paulo. 

“Agora, no Brasil, a cultura hacker terá o apoio do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Estamos desenvolvendo um conjunto de políticas públicas para que essa promissora comunidade possa contribuir para o desenvolvimento de novas tecnologias e soluções para a sociedade”, enfatiza Mercadante no artigo.

Ainda no documento, o ministro fez questão de destacar a diferença entre crackers e hackers, lembrando que os primeiros são considerados criminosos, enquanto que os outros são decifradores e desenvolvedores preocupados em construir novas funcionalidades.

Mercadante classificou os hackers como jovens, em geral, autodidatas e criadores de soluções inovadoras para a utilização de tecnologias da informação. “A capacidade criativa desses coletivos de desenvolvedores de tecnologia precisa ser reconhecida e incentivada, porque ela pode gerar inovações importantes para o nosso país”, defendeu, completando: “Felizmente, a ciência comunitária e as tecnologias livres avançam, contribuindo para derrubar ditaduras e o pensamento conservador e preconceituoso.”

Mercadante também informou que tem trabalhado com o Ministério da Defesa para o desenvolvimento de tecnologias voltadas a prevenir, defender ou restabelecer serviços essenciais, quando os mesmos forem atacados por crackers.

Em junho deste ano foram relatados mais de 200 ataques a sites do governo brasileiro. Com isso, acirrou-se a discussão sobre a necessidade de estabelecer novas formas de prevenir e punir crimes digitais no Brasil, onde ainda não há uma legislação específica sobre o assunto.

Fonte: OlharDigital 

11 de ago de 2011

Cyborg R.A.T.7 Albino é o mouse que qualquer gamer gostaria de ter

Versão branca do mouse ganha mais DPIs, lembra uma nave espacial e pode ser personalizado desde o "ângulo de pegada" até o peso.

Mouses específicos para games costumam ter botões extras, sensibilidade muito alta e serem bonitos. Mas isso não basta. A Mad Catz lançou um mouse voltado para jogadores que se preocupam com o design, ergonomia e usabilidade de seus produtos, dando o poder de personalização ao usuário. Tudo isso sem se esquecer de fazer o mouse um dos mais bonitos periféricos de computador já produzidos no mundo.

A linha Cyborg não é nova para os entusiastas, e o lançamento da versão Albino do Cyborg R.A.T.7 é um redesign calculado de um sucesso. O novo modelo tem 6.400 DPI, contra 5.600 DPI do modelo antigo. As outras especificações, no entanto, não foram alteradas.

A mudança visível é a carcaça de metal branca e prata. O design lembra uma nave espacial dos filmes antigos de Guerra nas Estrelas e destacou ainda mais os elementos tecnológicos e alteráveis do “rato”. O preço de lançamento é US$ 99,99. Não está disponível no Brasil.

Fonte: TechMundo

7 mitos da informática desmitificados

Algumas lendas, além de fama, levam os usuários a tomar algumas atitudes precipitadas. Descubra aqui o que vale ou não vale no dia a dia com o computador.

Ultimamente, a internet aparece como o tira-dúvidas oficial de milhões de pessoas. Por ser tão cômodo pesquisar na rede, já virou costume dos usuários exigirem que um buscador seja capaz de desvendar todas as verdades do mundo em poucos cliques.

Até aí, tudo bem. O problema é que, como não há nenhuma forma de regulamentação, a web também se torna um terreno bastante fértil para a criação e disseminação de diversos mitos — e a situação ainda piora quando falamos sobre informática.

Como saber, então, em quem confiar? Para ajudar os leitores, a equipe do Tecmundo reuniu algumas dúvidas frequentes que circulam por dentro e por fora da rede. Pode ou não pode? Liga ou desliga? Melhor ou pior? Descubra abaixo.

1. Programas maiores e mais famosos = melhores

Certos softwares viram referência em seus campos de atuação e passam a ser cultuados incansavelmente por público e crítica — é o caso do Photoshop como editor de imagens e do Word como processador de texto. Realmente, a maioria dos nomes que chegam lá têm cacife e mérito para ocupar tal lugar privilegiado.




Contudo, dependendo do nível e dos objetivos do usuário, ir atrás ou até pagar por um software que tem fama pode acabar sendo um tiro no escuro. Digamos que um funcionário precisa tratar fotos de eventos para enviar à galeria de um site: ele precisa necessariamente do Photoshop para realizar a tarefa?

Mesmo com toda a sua confiabilidade e seu extensivo arsenal de ferramentas, o programa da Adobe pode ter alguns descréditos. Dependendo da estrutura do computador em que se trabalha, ele pode ficar lento e pesado por exigir muito do sistema. Da mesma maneira, quem vai operar a edição tem que aprender a retocar fotos em uma interface que compreende mil e uma utilidades, menus e conceitos.

Assim sendo, se a proposta for básica, há alternativas que podem combinar melhor com o bolso e as intenções de uma empresa. Títulos pagos (como Photo-Brush e Oloneo) e gratuitos (como PhotoScape e GIMP) podem garantir resultados surpreendentes se a pretensão não é manipular e montar imagens, mas sim conseguir incrementar e reavivar suas cores, luzes e sombras.



Aqui, também prevalece aquela velha máxima: às vezes, um programa específico pode se sair melhor do que outro que faz tudo ao mesmo tempo (o que não é o caso do Photoshop). Portanto, o tempo usado para pesquisar e experimentar alternativas pode valer a pena.

2. Para ter um programa bom, só pagando

Se você é usuário veterano do Baixaki, já sabe de longe que essa afirmação é lenda. O número de softwares gratuitos capazes de atingir um desempenho tão bom quanto — ou até melhor do que — os medalhões do mercado da informática é gigantesco.

O mesmo vale para os games: quem nunca se divertiu por horas em um joguinho gratuito que atire a primeira tecla. Há saídas sem custo para todo o pacote Office, para converter arquivos multimídia, para gerenciar projetos e também para qualquer gênero de jogo.

Quem não simpatiza com as alternativas gratuitas muitas vezes não reclama do substituto em si, mas sim de problemas de adaptação — são usuários que esperam um programa idêntico a um pago de sucesso. Logicamente, alguns comandos mudam e há certos limites.



A ressalva fica por conta de programas muito específicos e extremamente técnicos, como processadores e modeladores gráficos, softwares avançados de animação, plugins e estações de áudio, além de interfaces desenvolvidas para nichos de mercado.

Outra ocorrência comum: muita gente passa bastante tempo procurando algum software gratuito que dê conta das necessidades de sua empresa ou negócio particular. No final das contas, por não achar, acaba contratando alguém para desenvolver a plataforma, sem se dar conta de que pagar por algum software que já tenha sido testado poderia ter saído bem mais barato.

3. É preciso sempre atualizar os programas

Mensagens convidando o usuário a fazer atualizações do sistema operacional, de algum programa, do navegador e de componentes fazem parte do nosso dia a dia. E assim nasce a eterna dúvida: precisamos ou não precisamos estar sempre com as últimas versões tinindo no PC?

A resposta, na maioria dos casos, é não. Por exemplo: certos fabricantes corrigem pequenos bugs que, às vezes, afetam uma parcela mínima de usuários e já decidem atualizar o produto da versão 4.0.1.1 para 4.0.1.2. Se você possuir o programa instalado, de alguma forma vai ser avisado que há uma nova versão disponível.

 Entretanto, nem sempre mudanças significativas são agregadas. Então por que ficar baixando semanalmente (ou até diariamente) atualizações? A solução, para quem não gosta desse incômodo, pode ser desativar os avisos sobre correções recentes.

É claro que, quando você está há mais de dois anos sem atualizar um software ou vem enfrentando problemas de usabilidade, a atitude mais recomendada a ser tomada é baixar a última versão.

Quando falamos em antivírus, a conversa muda de tom: no caso deles, é estritamente necessário manter a última versão em dia. Pelo fato de ameaças recém-criadas serem lançadas diariamente na rede, o banco de dados de um software de proteção precisa correr atrás do prejuízo – por isso, muitas vezes, as atualizações são feitas de maneira automática.



4. Quanto mais programas instalados, pior é o desempenho da máquina.

Dezenas de fatores influenciam na velocidade de um computador — isto é, não há uma fórmula fixa que determina a performance com exatidão. No entanto, o conjunto de hardware e a manutenção periódica do sistema operacional são os principais ingredientes para se conseguir um PC rápido e potente.

Cada programa instalado altera instruções no registro do sistema e alguns deles incluem entradas para terem o início automático junto com o Windows (ou mesmo junto a algum aplicativo ou à conexão com a internet). Fora isso, softwares e jogos também ocupam espaço no HD.

Essas condições podem, de fato, comprometer o desempenho das tarefas. Porém, apenas em situações extremas. Quando o HD está abarrotado de conteúdo (mais de 80% ocupado), o espaço destinado à memória virtual será menor, afetando a velocidade de processamento da memória RAM.


Outra condição é quando vários programas são carregados junto com o início do sistema operacional e permanecem ativos. Isso acarreta em demora tanto na entrada quanto no uso do Windows. Contudo, cuidados de manutenção através do CCleaner (limpador de registro) e CleanMem (monitorador de uso da memória RAM) podem acabar com isso.

Por fim, não há problemas em se ter diversos programas instalados — desde que se use o bom senso. Se o HD estiver com espaço livre, o Windows se iniciar apenas com o necessário e o usuário zelar pela limpeza do registro, não tem erro. Mais detalhes sobre o assunto podem ser encontrados aqui.

5. Formatar é a solução certa para salvar um sistema lento

Alguns técnicos de informática consideram a formatação como um procedimento padrão, acreditando que o processo é um verdadeiro elixir capaz de resolver todos os problemas. Em linhas gerais, apagar tudo e começar do zero é efetivo — mas não a única saída.

Existem vários outras formas de otimizar o desempenho sem ter que recorrer à medida “radical”. Assim como ocorre na relação com número de programas instalados, atentar para o que inicia com o Windows, limpar o registro e manter certo alívio para o disco rígido ajudam no desempenho.


Outra atitude que deve ser levada em conta é um rastreamento completo feito a partir de um antivírus de qualidade (e com versão recente), além da desfragmentação de disco — ela é responsável por “colocar ordem na casa”, realocando os arquivos e pastas para garantir um trabalho de processamento mais rápido.

Às vezes, o comodismo leva à aplicação do mesmo remédio em máquinas com diagnósticos diferentes. Mas, no final das contas, pense: quanto tempo é gasto para se formatar um PC, reinstalar o Windows e todos os programas necessários para o usuário? Da próxima vez, pense duas vezes e compare.

6. O PC não pode ficar ligado por muito tempo

Assim como fazemos com outros equipamentos eletrônicos, normalmente desligamos o computador quando ele não está em uso. Pensamento evidente, visto que poupamos os componentes de hardware e ainda economizamos luz.

Mas e quando estamos realizando downloads muito extensos e a conexão não colabora? Tem problema deixar o computador ligado para baixar os arquivos? No final das contas, não — dificilmente seu PC vai derreter se ficar três ou quatro dias ligado.


Embora se comente que a vida útil das peças diminua, isto é uma constatação óbvia, já que enquanto uma máquina estiver ligada ela estará exigindo das peças. Nada é comprovado em relação a que o tempo de atividade contínua desgasta o computador mais rápido. Em meio a tudo isso, uma indicação válida e procedente é a de desligar o monitor.

Entretanto, aí vai um alerta: quanto mais tempo o computador fica ligado e processando operações, mais informações são armazenadas na memória RAM (mesmo que você feche todos os programas, ainda ficam resquícios). Reinicializar o sistema de vez em quando apaga os registros temporários da RAM e evita o “efeito carroça”.

7. Protetores de tela preservam os monitores

O nome “protetor” confunde muita gente, que pensa nos screensavers como prolongadores da vida útil do monitor e assegurados do bom funcionamento. No início, nos modelos de tubos CRT, os protetores de tela realmente evitavam que as telas perdessem a luminosidade.

Porém, com as tecnologias atuais (LCD, LED etc.), as únicas funções de um screensaver são a de enfeitar a tela e proteger a entrada de estranhos através de senha — em nenhum momento há economia de luz ou “proteção”.




Como dito no tópico acima, a melhor maneira de preservar a sua tela é desligando o monitor — outra saída consiste em programar o sistema para hibernar (modo standby) automaticamente depois de certo tempo sem uso.

Fonte: TechMundo

10 de ago de 2011

20 anos da World Wide Web: Como a rede evoluiu

Há 2 décadas, Tim Berners-Lee colocou a primeira página da internet no ar. Veja o que aconteceu desde então.

No último sábado (6/8) a World Wide Web completou 20 anos de existência. Para quem não sabe, o dia 6 de agosto de 1991 foi a data em que Tim Berners-Lee colocou a primeira página no ar, que ainda pode ser vista neste link.

Foi nos primórdios da Internet, chamada de ARPANET que, em 1989, Berners-Lee, cientista do Conselho Europeu de Pesquisas Nucleares, criou uma nova forma de se acessar aquela rede. Em 13 de março de 1991, o cientista entregou a seu supervisor um documento que traria a proposta do inicio da rede mundial que liga todos os computadores. O supervisor de Tim descreveu o texto como "vago, mas empolgante" e deu autorização para que ele seguisse em frente com o projeto. Então, cerca de dois anos depois, Tim já havia publicado seu primeiro site.

Confira abaixo uma linha do tempo resumida com os principais acontecimentos desde o nascimento da World Wide Web.

Entrevista exclusiva com representante do grupo LulzSec Brazil

Nesta segunda-feira (8/8), o Olhar Digital conseguiu uma entrevista exclusiva com um dos membros do LulzSec Brazil, o grupo de hackers brasileiros que, em junho de 2011, derrubou diversos sites ligados ao Governo brasileiro e páginas de empresas como a Petrobras. As contas do Gtalk e do Skype do grupo foram enviadas a nós através da conta do Twitter oficial, o @LulzSecBrazil.

Atendendo pelo codinome de Bile Day, o representante do grupo concedeu a entrevista via Skype e não deixou que a conversa fosse filmada, pois ele estava sem a máscara adequada. Durante 25 minutos, Bile Day falou abertamente sobre os planos do LulzSec Brazil, como o grupo se organiza e quais as maiores barreiras enfrentadas por eles.

Segundo o hacker, seis pessoas, que já se conheciam há muitos anos, "fundaram" o grupo. As contas do Twitter, GTalk e o antigo perfil do Facebook - suspendido pela empresa - são atualizados por eles. Todos os membros trabalham constantemente invadindo servidores do governo em busca de documentos que comprovem corrupção dos políticos. "Nós trabalhamos em outros lugares, mas estamos 24 horas por dia fazendo varreduras atrás de informações relevantes para expor para o povo", conta.

O representante disse que o grupo tem uma forte ligação com os Anonymous e que praticamente todas as ações feitas no Brasil foram previamente comentadas com os hackers internacionais. Bile Day repetiu diversas vezes durante a entrevista que o LulzSec Brazil apoia o movimento dos Anonymous e até sugeriu que os brasileiros interessados também os acompanhem.

O grupo @LulzSec_BR também foi comentado durante a entrevista. Segundo o hacker, o grupo foi responsável por diversas difamações contra o @LulzSecBrazil - o original. "Eles que espalharam que nós éramos bandidos e uma farsa. Então, nós os expusemos em nosso site", conta.

Mídia

Outro ponto bastante abordado pelo membro do grupo foi a censura de diversos veículos, em especial as Organizações Globo. "Eles têm ligação com o governo. Não existe crédito nas notícias do G1, é pura alienação a favor do governo corrupto", completou.

Bile Day também mencionou que a entrevista do grupo concedida ao programa da Bandeirantes, CQC, foi um "pouco manipulada". De acordo com o integrante, eles cortaram parte do discurso e, por isso, deu a entender que o maior objetivo do LulzSec Brazil era apenas expor a falta de segurança nos sites brasileiros. "Esse é um dos objetivos também, mas o principal é expor a corrupção. Queremos informar o povo e esperamos uma revolução da parte deles", ressalta.

Nesta terça-feira (9/8), o grupo também divulgou na sua conta oficial do Twitter que estariam atrás de seis jornalistas "contratados por políticos que estão tentando desviar e disseminar informações falsas". "Não temos nada contra a classe e sim a favor dos jornalistas e que as grandes empresas tirem as mordaças dos mesmos", dizia um dos posts.

Planos

Ao ser questionado sobre o futuro, Bile Day admitiu que o grupo tem uma data para finalizar suas ações no país, mas que ainda não pode ser revelada. Além disso, o hacker comentou que uma das principais ideias é começar a organizar passeatas e movimentos sociais por todo o Brasil. "Queremos ir além do mundo digital. Dessa forma, conseguiremos atingir também pessoas sem acesso à internet", concluiu.

O integrante ainda revelou que o grupo tem alguns novos documentos em seu poder, que estão sendo analisados e, caso sejam relevantes, serão divulgados.

Fonte: OlharDigital

27 de jul de 2011

Quanto cobrar pelo desenvolvimento de um Site, Blog ou E-Commerce?

Na realidade o título deveria ser: "Quanto cobrar pelo meu trabalho?" As técnicas aplicadas na hora de cobrar por um serviço se aplica também ao quanto cobrar pelo desenvolvimento de uma loja virtual.

Muitas variáveis devem ser consideradas na elaboração do fator preço. Ele é estratégico e deve ser aplicado de acordo com a realidade do mercado, da empresa, do escopo do projeto e claro, com a sua realidade.

Uma prática do mercado é estipular o valor do projeto através do custo hora, ou seja, basear o preço na estimativa de horas necessárias para o desenvolvimento do projeto. Portanto, seu grande desafio é identificar seu custo hora. E para isso se faz necessário que você seja organizado, tenha um bom planejado e saiba com exatidão quanto você custa por mês.

Michel Lent Schwartzman, publicitário e especialista em mídias interativas, responde sua dúvida de quanto cobrar pelo desenvolvimento de uma loja virtual através de um popular artigo entre os desenvolvedores intitulados como “Afinal, quanto cobrar“?

No Screen Cast de hoje, selecionamos algumas dicas para fazer o cálculo de quanto cobrar pelo desenvolvimento de uma loja virtual:


Fonte: PagPedia

22 de jul de 2011

Dinastia: escola hacker Anonymous formará Pupilos

Primeira turma deve estar apta a criar botnets e a coordenar ações daqui a um mês.



A união de dois dos mais perigosos grupos mundiais de hackers — LulzSec e Anonymous — já vem fazendo muito barulho no mundo inteiro desde o fim do mês passado. E, apesar da aparente dissolução do LulzSec, os ataques às falhas de segurança em websites estão longe de silenciar.

Isso porque, junto ao anúncio da saída dos principais membros do grupo, os líderes também comunicaram que os primeiros "formandos" de uma escola hacker entrariam em atividade dentro de um mês. Mesmo não tendo a habilidade de invasores mais experientes, os novatos já sairiam do curso com a capacidade de roubar senhas de bancos e programar botnets.

Em entrevista ao site Examiner, um dos hackers envolvidos no projeto afirmou que será feita uma reestruturação no projeto inicial da escola, a fim de organizar melhor os alunos e os tópicos. A formação dos aprendizes incluiria cursos de Zeus botnet, XSS, CRSF, HTTP Injection, Backdoors e outros métodos para quebrar a segurança de sites e sistemas.

"A ideia do site [da escola] é treinar as pessoas para lutar por sua própria liberdade. Nós já começamos as aulas, mas apenas o básico.", disse o informante da LulzSec.

Se considerarmos que, em menos de dois meses de atividades, o twitter oficial do grupo LulzSec já arrebatou quase 300 mil seguidores, o que não deve faltar é gente interessada em aprender com os mestres da arte da pirataria online.

Somente nos últimos dias, o Tecmundo publicou diversas notícias sobre ataques e reviravoltas relacionados ao assunto. Se antes os alvos eram sites públicos e centros de inteligência, agora nem mesmo a Apple, Google, Microsoft e o presidente Barack Obama ficaram ilesos. Ao que parece, a batalha digital está longe de um cessar fogo.

FBI faz buscas por computadores suspeitos de atividades Hacker

Foram feitas buscas por computadores e acessórios em uma casa no Brooklyn e outras duas em Long Island. Ao menos um notebook foi retirado de uma das residências, disse o FBI.



Reuters. Basil Katz e Christine Kearney - A polícia federal norte-americana, o FBI, realizou nesta terça-feira mandados de busca em três casas de Nova York, procurando computadores que podem ter sido usados por membros do grupo de hackers Anonymous, afirmou um porta-voz da instituição.

Foram feitas buscas por computadores e acessórios em uma casa no Brooklyn e outras duas em Long Island. Ao menos um notebook foi retirado de uma das residências, disse o FBI.

Ninguém foi preso.

"As buscas estão ligadas a uma investigação em curso", disse o porta-voz do FBI Peter Donald.

O Anonymous, uma organização inspirada pelo WikiLeaks e seu fundador Julian Assange, afirmou ter invadido os servidores da Apple mais cedo este mês.

Em dezembro, o grupo também foi responsável por desativar os sites da MasterCard e Visa usando simples ferramentas de software disponíveis na Internet.

O Anonymous também divulgou dados de contas de e-mail privadas de um site da polícia do Arizona.

O grupo se uniu ao grupo de hackers Lulz Security em junho. O LulzSec invadiu sites da Sony, CIA e uma unidade da polícia britânica.

(Reportagem de Basil Katz e Christine Kearney).

Fonte: TechMundo

Integrantes do Anonymous são presos pelo FBI

As prisões ocorreram depois de o grupo declarar que havia invadido servidores da Apple e realizado ataques no ano passado contra os sites da MasterCard e Visa.



Reuters - O FBI prendeu na terça-feira pelo menos 14 pessoas como parte de uma ampla investigação a respeito do grupo de hackers-ativistas Anonymous, segundo uma fonte da polícia federal norte-americana.

As prisões ocorreram depois de o grupo declarar que havia invadido servidores da Apple e realizado ataques no ano passado contra os sites da MasterCard e Visa.

Os suspeitos foram detidos na Califórnia, Flórida e Nova Jersey, segundo uma outra fonte policial. Os indiciamentos não foram oficialmente divulgados, razão pela qual ambas as fontes pediram anonimato.

Antes das prisões, agentes haviam feito buscas em um imóvel do Brooklyn e cinco de Long Island (regiões de Nova York), examinando especialmente computadores e outros equipamentos de informática, segundo o FBI, esses equipamentos supostamente teriam sido usados por membros da organização ativista, que se inspira no WikiLeaks e em seu fundador, Julian Assange. Ninguém foi preso em Nova York.

Funcionários do FBI na Califórnia e na Flórida confirmaram que havia buscas em andamento, mas não confirmaram nenhuma prisão. Em Nova Jersey, um porta-voz da agência informou que uma pessoa havia sido presa, mas não esclareceu quais eram as acusações.

O Anonymous, que as autoridades acreditam ser formado principalmente por hackers adolescentes e jovens adultos, também já divulgou vários emails particulares e outros dados obtidos em um site da polícia do Arizona.

Em junho, o grupo se associou à organização hacker Lulz Security. O LulzSec já violou sites da Sony, da CIA e da polícia britânica.

Especialistas dizem que as ações do FBI já eram esperadas, porque as ações dos hackers vinham se tornando cada vez mais ousadas.

"Não acho que ninguém deva se surpreender", disse Josh Shaul, diretor técnico da Application Security, que ajuda empresas a protegerem seus dados. "Eles brincaram com fogo e acabaram queimados."

Fonte: TechMundo

Rede social do Anonymous é hackeada

Grupo que invadiu o site teria como objetivo retalhar as ações feitas pelos hackers contra endereços do governo turco.



Dois dias após o grupo Anonymous anunciar a criação da rede social AnonPlus, um grupo rival invadiu a página e alterou as informações mostradas. Durante grande parte da última quarta-feira (20 de julho), quem entrava no site era surpreendido por uma mensagem atribuída a hackers identificados pelo nome AKINCLAIR.

Além de realizar alterações nas informações disponíveis na página, os invasores publicaram um novo logo onde um cachorro usando terno se destaca. Confira abaixo o texto publicado, em uma tradução livre:

“Nós somos TURKIYE. Nós somos AKINCLAIR;

Esse logo combina melhor com vocês. Como vocês ousam se levantar contra o mundo? Vocês realmente acham que são o Império Otomano? Nós pensamos que vocês não podem desafiar o mundo e vamos lhes ensinar que (o grupo Anonymous) não pode se tornar social. Agora vão todos para seus canis...”

Akinclair é o nome de um distrito na Turquia, e também é a identidade assumida por um grupo de hackers que costuma invadir sites para publicar mensagens nacionalistas exaltando o país. A palavra também se trata de um termo usado pelo exército otomano, que significa algo próximo a corsários.

Retaliação

A motivação por trás do ataque seria outro ataque feito em junho pelo Anonymous contra sites do governo turco. Os membros do grupo tiraram do ar páginas ligadas ao governo do país, após a aprovação de uma lei que permitia o uso de filtros para bloquear conteúdos disponíveis aos usuários de internet na Turquia.

Aparentemente, o AnonPlus voltou a ser controlado por seus donos originais, e quem acessa o endereço é redirecionado a um fórum de mensagens mantido pelos hackers. Um dos membros do grupo reconheceu o ataque, afirmando que tal ação era a atitude mais ignorante que já havia presenciado.



Os responsáveis pela rede social aproveitaram a ocasião para afirmar que são jornalistas, e não hackers. Segundo a mensagem publicada, o press release divulgado anteriormente tinha como intenção esclarecer que o objetivo do serviço é oferecer um espaço em que qualquer pessoa pode participar sem o risco de sofrer censuras.

Segundo o Anonymous, o ataque não teve qualquer efeito negativo sobre o projeto, e só serviu para provar que grupos nem um pouco anônimos temem o potencial da iniciativa. A mensagem afirma que o objetivo final está cada vez mais próximo, e que nada vai impedir que a rede social seja finalizada.

Fonte: TechMundo

Após prisões, Hackers do Anonymous e LulzSec voltaram

Autoridades dos EUA afirmam terem prendido nesta semana 16 pessoas suspeitas de envolvimentos com ataques, principalmente oo grupo Anonymous na tentativa de bloquear os sites PayPal e eBay.



Reuters. Por Jeremy Pelofsky - Depois de um breve hiato e da prisão de vários supostos "ciberativistas", dois grupos de hackers que reivindicaram a autoria de uma recente onda de vandalismo digital afirmaram estar de volta.

Uma nota foi divulgada conjuntamente na quinta-feira na internet pelos grupos Anonymous e Lulz Security, depois de autoridades dos EUA terem prendido nesta semana 16 pessoas suspeitas de envolvimentos com ataques, principalmente a ação do Anonymous para tentar bloquear o site PayPal, do eBay, em retaliação por sua decisão de parar de receber doações para a organização WikiLeaks.

As prisões permitiram ter uma noção sobre as vidas dos supostos ciberativistas, hackers que agem sob motivação política ou para contestar a autoridade, em vez de roubarem dados de cartões de crédito e cometerem espionagem.

Alguns não parecem ter empregos ligados a tecnologias sofisticadas. O grupo incluía um ex-zelador, um capataz de jardinagem e um universitário, com idades de 20 a 42 anos.

"Não temos mais medo. Suas ameaças de nos prender não significam nada para nós, já que vocês não podem prender uma ideia", disseram os grupos na declaração, cuja origem não pôde ser confirmada de forma independente. Anteriormente, o Lulz Security havia insinuado que iria se dissolver.

Os grupos disseram que sua declaração foi uma reação a comentários feitos por Steven Chabinsky, da divisão cibernética do FBI, que afirmou à Rádio Pública Nacional dos EUA que era "inteiramente inaceitável violar sites e cometer atos ilegais."

Os grupos prometeram manter seus ataques aos governos, aos quais acusaram de mentir para os cidadãos e de gerar medo e terror por "desmantelar sua liberdade peça por peça."

Eles também disseram que pretendem agir contra empresas que colaboram com governos e que recebem bilhões de dólares em contratos, sem cumprirem sua parte.

"Esses governos e corporações são nossos inimigos. Vamos continuar a lutar contra eles, com todos os métodos à nossa disposição, e isso certamente inclui invadir seus sites e expor suas mentiras", disse a nota.

O FBI não quis comentar.

O Anonymous e o LulzSec já assumiram a responsabilidade por ataques cibernéticos por razões políticas contra sites na Síria, Tunísia, Egito e Índia, além de sites públicos da agência central de inteligência (CIA) e do Senado dos EUA.

Fonte: TechMundo

20 de jul de 2011

30 frases mais ditas antes de morrer





1. Corte o fio vermelho, eu tenho certeza!

2. Pode subir que agüenta mais um...
3. O que acontece se eu apertar este botão?
4. Vou acender um fósforo...
5. Não toque em nada!
6. Esse vai passar perto!
7. Deixa comigo...
8. Não puxe o pino!
9. É uma cirurgia simples...
10. Você não é homem para fazer isso!
11. Ahhh! O que não mata, engorda!
12. Que isso, cara! Eu sou só o encanador...
13. Vou te denunciar!
14. Pode falar, doutor, é serio?
15. Este avião está descendo muito rápido !
16. Agora só falta um...
17. Buraco? Que buraco?
18. Atchim! (dentro do armário)
19. Vai que dá!
20. Por aí não, por aqui é bem mais rápido...
21. Não se preocupe, eu sei nadar...
22. Posso ver uma luz no final do túnel se aproximando rapidamente...
23. Ou vai ou racha!
24. Relaxa... é nóis!
25. Fique calmo, vai acabar tudo bem!
26. Não vem vindo carro não, pode ir...
27. Não é nada disso que você está pensando, a gente pode explicar tudo!
28. Atira! Atira! Quero vê!
29. Tá tudo bem, eu sei o que estou fazendo!
30. Tudo bem, mulher... Pode dirigir...

29 de jun de 2011

Algo a se refletir profundamente!

Encerrando Ciclos

Sempre é preciso saber quando uma etapa chega ao final..

Se insistirmos em permanecer nela mais do que o tempo necessário, perdemos a alegria e o sentido das outras etapas que precisamos viver.

Encerrando ciclos, fechando portas, terminando capítulos. Não importa o nome que damos, o que importa é deixar no passado os momentos da vida que já se acabaram.

Foi despedido(a) do trabalho? Terminou uma relação?
Deixou a casa dos pais?


Partiu para viver em outro país?
A amizade tão longamente cultivada desapareceu sem explicações?

Você pode passar muito tempo se perguntando por que isso aconteceu.

Pode dizer para si que não dará mais um passo enquanto não entender as razões que levaram certas coisas, que eram tão importantes e sólidas em sua vida, serem subitamente transformadas em pó.

Mas tal atitude será um desgaste imenso para todos: seus pais, seu marido ou sua esposa, seus amigos, seus filhos, sua irmã, todos estarão encerrando capítulos, virando a folha, seguindo adiante, e todos sofrerão ao ver que você está parado.

Ninguém pode estar ao mesmo tempo no presente e no passado, nem mesmo quando tentamos entender as coisas que acontecem conosco.

O que passou não voltará: não podemos ser eternamente meninos, adolescentes tardios, filhos que se sentem culpados ou rancorosos com os pais, amantes que revivem noite e dia uma ligação com quem já foi embora e não tem a menor intenção de voltar.

As coisas passam, e o melhor que fazemos é deixar que elas realmente possam ir embora.

Por isso é tão importante (por mais doloroso que seja!) destruir recordações, mudar de casa, dar muitas coisas para orfanatos, vender ou doar os livros que tem.

Tudo neste mundo visível é uma manifestação do mundo invisível, do que está acontecendo em nosso coração..

.... e o desfazer-se de certas lembranças significa também abrir espaço para que outras tomem o seu lugar.

Deixar ir embora. Soltar. Desprender-se.

Ninguém está jogando nesta vida com cartas marcadas, portanto às vezes ganhamos, e às vezes perdemos.

Não espere que devolvam algo, não espere que reconheçam seu esforço, que descubram seu gênio, que entendam seu amor.

Pare de ligar sua televisão emocional e assistir sempre ao mesmo programa, que mostra como você sofreu com determinada perda: isso o estará apenas envenenando, e nada mais.

Não há nada mais perigoso que rompimentos amorosos que não são aceitos, promessas de emprego que não têm data marcada para começar, decisões que sempre são adiadas em nome do "momento ideal".

Antes de começar um capítulo novo, é preciso terminar o antigo: diga a si mesmo que o que passou, jamais voltará.

Lembre-se de que houve uma época em que podia viver sem aquilo, sem aquela pessoa, nada é insubstituível, um hábito não é uma necessidade.

Pode parecer óbvio, pode mesmo ser difícil, mas é muito importante.

Encerrando ciclos. Não por causa do orgulho, por incapacidade, ou por soberba, mas porque simplesmente aquilo já não se encaixa mais na sua vida.

Feche a porta, mude o disco, limpe a casa, sacuda a poeira. Deixe de ser quem era, e se transforme em quem é.

Torna-te uma pessoa melhor e assegura-te de que sabes bem quem és tu própria, antes de conheceres alguém e de esperares que ele veja quem tu és..

E lembra-te :
“Tudo o que chega, chega sempre por alguma razão”

Fernando Pessoa












27 de jun de 2011

Hacker que desbloqueou o Playstation 3 é contratado pelo Facebook

GeoHot, que também é um dos responsáveis pelo jailbreak do iPhone, estaria trabalhando em um aplicativo do Facebook para iPad

George Hotz, mais conhecido como GeoHot, o hacker responsável por desbloquear o iPhone e o PlayStation 3, é um dos mais novos funcionários do Facebook.

De acordo com o site TechUnwrapped, o garoto, que está sendo processado pela Sony devido às modificações feitas no PS3, está envolvido na criação do aplicativo para iPad da rede social. A informação foi retirada de uma entrevista de Joshua Hill, membro do grupo Chronic-Dev Team, do qual GeoHot faz parte. Hill disse que desafiou GeoHot a achar uma falha no iPad. O garoto não teria gostado do desafio, pois gostaria de se concentrar no seu emprego no Facebook.

No último dia 22, GeoHot postou em seu mural na rede social a mensagem "O Facebook é realmente um ótimo lugar para trabalhar". Ele, porém, não deu informação sobre a área em que está trabalhando. O Facebook não confirmou a informação.

Veja no vídeo abaixo o trecho da entrevista, em inglês, de Joshua Hill em que ele cita o emprego de GeoHot no Facebook.

Fonte: Algum lugar da rede

Fim do LulzSec não significa fim dos ataques

LulzSec abandona o nome, mas se prepara para novas ações ao lado dos Anonymous.

No último sábado, o grupo de hackers LulzSec, que atacou diversos sites de corporações e agências governamentais nos últimos 50 dias, anunciou seu fim.

Em mensagens postadas no Twitter neste sábado (25/6), membros do Lulzsec disseram que haviam cumprido a sua missão. Os tuítes, que foram postados após a publicação de cerca de 400 megabytes de dados hackeados do provedor de internet AOL, também afirmavam que o grupo apenas havia abandonado o seu apelido. "Queremos esclarecer de novo: Ninguém está se escondendo, apenas um nome foi abandonado para a glória ainda maior do #AntiSec", dizia o tuíte postado pela conta dos @AnonymousIRC.

O site acredita que o LulzSec já atraiu muita atenção e, por isso, seria mais seguro se eles se misturassem com o Anonymous, um grupo bem maior e mais estabelecido. Aparentemente, novos ataques a grandes corporações e agências governamentais devem acontecer em breve. Isso porque os Anonymous postaram mensagens que indicavam que eles estariam se preparando para outras ações.

Analistas acreditam que o fim do grupo está relacionado com a prisão de um suposto membro do LulzSec, um jovem britânico de 19 anos que foi detido pelas autoridades locais na semana passada, acusado de ser responsável pelos ataques contra a Sony. Mas o LulzSec desmente qualquer relação com o inglês.

Fonte: Não Interessa