1 de set de 2011

Steve Jobs: quais lições os profissionais podem aprender com sua trajetória

"Especialista mostra quais os cinco ensinamentos que quem quer ser um líder - agora ou no futuro - pode tirar da história do ex-CEO da Apple"
Desde que Steve Jobs renunciou ao cargo de CEO da Apple, no dia 24 de agosto, o mercado questiona os impactos que essa saída terá, não só para a empresa da qual ele é co-fundador, mas também para o setor de tecnologia como um todo, uma vez que Jobs ajudou a criar produtos revolucionários, como o iPod, iPhone e iPad. Mas os profissionais deveriam tirar lições importantes da trajetória bem-sucedida do executivo, na visão do especialista em empreendedorismo Bill Taylor, co-fundador da revista Fast Company e autor de diversos livros sobre liderança.

"Poucos de nós tivemos a chance de alcançar um centésimo do que Steve Jobs conseguiu", afirmou Taylor, em artigo publicado na versão norte-americana da revista de gestão Harvard Business Review. "Mas todos nós podemos olhar para a forma de trabalho dele e a reação a esse modelo e usar isso como uma oportunidade para nos perguntarmos quais as chances que nós, enquanto líderes e inovadores, temos de fazer uma pequena diferença para nosso mercado, nossos clientes e nossos colegas", acrescentou.

Para Taylor, o melhor que os profissionais podem fazer é entender o modelo de liderança de Jobs e se inspirar nele para serem executivos ou empreendedores melhores. Para isso, ele sugere que as pessoas se façam cinco perguntas essenciais, inspiradas no co-fundador da Apple:

1. "Por que pessoas incríveis gostariam de trabalhar com você?"
Steve Jobs se cercou dos melhores talentos na área de design, vendas e engenharia depois que ele entendeu que essas pessoas que apresentam uma performance acima da curva não são motivadas, inicialmente, por dinheiro ou status. Os profissionais talentosos, de forma geral, têm prazer em trabalhar com projetos desafiadores. "Pessoas incríveis gostam de se sentir como parte de algo maior do que elas mesmas - elas gostam de ser, usando a frase favorita de Jobs, 'insanamente incríveis'", ressaltou o especialista.

2. "Você reconhece um profisisonal talentoso quando se depara com um?"

É bem mais fácil ser o chefe, quando se tem uma equipe formada pelas pessoas certas. Mas só isso não é suficiente, nas melhores empresas para trabalhar, os líderes, de forma geral, gastam muito tempo e energia com as pessoas com quem trabalham. A razão para isso, segundo Taylor, está no fato de que conhecer a fundo os profissionais e conseguir tirar deles o melhor exige muita dedicação. Não à toa, ele cita que Jobs era tão exigente com sua equipe quanto era na hora de desenvolver um novo produto.

3. "Você consegue descobrir um talento, mesmo quando ele está escondido?"
As pessoas tendem a apresentar uma melhor performance quando elas têm prazer no trabalho que fazem, nas pessoas com as quais atuam e em projeto desafiadores. "Então, líderes que se contentam em manter suas empresas com pessoas que estão o tempo todo insatisfeitas, atraem profissionais descontentes e com uma performance medíocre", pontuou o especialista. O segredo, segundo ele, é buscar pessoas - fora da empresa ou em áreas diferentes - que consigam se apaixonar pelo trabalho que elas precisam desempenhar. Nesse sentido, o especialista destaca que Jobs foi um excelente recrutador de profissionais.

4. "Você é excelente em ensinar como sua trabalha e como torná-la vencedora?"

"Até os especialistas mais focados (programadores de software, designers gráficos e assistentes de marketing) são melhores quando entendem como o negócio funciona como um todo", ressaltou Taylor. Isso passa, segundo ele, por compartilhar resultados financeiros, entender o que cada um faz na empresa e compreender o que realmente interessa para o sucesso ou o fracasso da companhia. "E ninguém foi melhor do que Steve Jobs para comunicar a missão a empresa", complementou.

5. "Você é tão duro com você mesmo quanto é com sua equipe?"
Os profissionais talentosos e ambiciosos têm, por natureza, uma grande expectativa de resultados, não só seus, mas das pessoas com as quais trabalham e da companhia. O que justifica o fato de os grandes líderes serem sempre vistos como indivíduos difíceis de agradar. E Jobs, segundo o especialista, sempre foi considerado um perfeccionista, "mas minha visão é que as pessoas respondiam ao impulso perfeccionista dele porque ele era alguém tão exigente consigo mesmo, como era com todos em torno dele", concluiu.

Fonte: OlharDigital

Nenhum comentário:

Postar um comentário